Sábado, 19 de Abril de 2014
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
A Embrapa | Página Inicial | Ouvidoria | Mapa do Site | English | Español A- A+
O extensionista treinado pela equipe da Embrapa seleciona uma propriedade por município, para servir de referência aos demais produtores daquela região. A propriedade 'sala de aula' deve ter, preferencialmente, as seguintes características: 
 
  • Pequeno porte (a partir de 0,5 ha)
  • Atividade leiteira como principal fonte de renda
  • Familiar, para que não haja interferência no aprendizado das pessoas envolvidas.
 
Depois de a propriedade ser selecionada e aprovada pela equipe do projeto, o proprietário deverá responder um questionário que identificará, além de seu sistema de produção, aspectos relacionados à situação sócioeconômica da família, bem como questões referentes ao ambiente.
A visita de um instrutor credenciado pelo Projeto Balde Cheio ocorrerá a cada quatro meses durante quatro anos (tempo do projeto), totalizando 12 visitas de acompanhamento. Nessas visitas, além do instrutor credenciado, deverão estar presentes: o extensionista responsável pela Unidade Demonstrativa (UD)D e o produtor. A presença de mais pessoas, ou seja, outros técnicos e produtores de leite da região, deverá ser incentivada.
O extensionista responsável deverá visitar UD na frequência mínima de uma vez por mês.
O produtor de leite que aceitar ser uma UD terá o direito de ser assistido pelos técnicos do Projeto, desde que cumpra com as seguintes obrigações:.
 
  • Realizar, de imediato, exames para detecção de brucelose e tuberculose, descartando animais positivos.
  • Permitir que sua propriedade seja visitada por outros produtores e outros técnicos.
  • Fazer sempre o que for combinado entre os envolvidos.
  • Passar a anotar controles básicos relativos ao clima (chuvas e temperaturas máxima e mínima), às finanças (despesas e receitas com a atividade leiteira) e ao rebanho (parições, coberturas, pesagens mensais de fêmeas em crescimento e controles leiteiros, que nada mais são do que as pesagens ou medições, uma vez ao mês, do leite produzido por cada uma das vacas em lactação).
 
Técnicas adequadas a cada propriedade serão propostas e discutidas por todas as pessoas presentes na visita quadrimestral. Dessa forma, possivelmente a solução mais viável será encontrada e a cada visita os problemas vão sendo solucionados e novas perspectivas acabam sendo vislumbradas.
Para que o acompanhamento das UDs seja eficaz e a evolução do trabalho possa ser mensurada, alguns materiais e práticas serão necessários: 
 
  1. Planilhas para preenchimento no campo pelo produtor, referentes aos controles climáticos, econômicos e zootécnicos.
  2. Análise do solo.
  3. Exames para detecção de brucelose e tuberculose.
  4. Levantamento plani-altimétrico detalhado da propriedade.
  5. Identificação dos animais com brincos numerados.
  6. Fita para pesagem de animais.
  7. Pluviômetro.
  8. Termômetro de máxima e mínima.
  9. Quadro circular para gerenciamento da reprodução do rebanho.
  10. Quadro circular para gerenciamento do desenvolvimento das fêmeas em crescimento.
 
Os itens 1 e 2 ficarão sob responsabilidade do proprietário da UD. Como contrapartida por permitir que sua propriedade seja transformada numa “sala de aula prática”, as despesas decorrentes dos itens 3 a 10, ficarão a cargo do extensionista responsável pela UD ou da instituição ou empresa ao qual ele esteja vinculado, lembrando que o item 3 somente será pago no primeiro exame.
O desempenho do extensionista será avaliado pela número de Propriedades Assistidas (PAs) exclusivamente por ele e pela qualidade do trabalho nessas propriedades. No grupo das PAs inclui-se todo tipo de propriedades, independentemente do porte, do tamanho do rebanho ou da condição sócioeconômica do proprietário. 
 
Principais tecnologias utilizadas
Agropecuárias: uso intensivo de pastagens, em sistema de pastejo rotacionado; uso de sistemas de irrigação; sobre-semeadura de aveia ou de azevém em pastagens tropicais durante o período da seca; fornecimento de cana-de-açúcar com uréia como suplementação alimentar no período da seca; controle reprodutivo; controle sanitário no rebanho e uso de técnicas de melhoria do conforto e do bem-estar dos animais.
Ambientais: recuperação e conservação da fertilidade do solo; plantio de árvores para formação ou renovação de matas ciliares; preservação de áreas de proteção permanente; controle de efluentes e ações de melhoria da qualidade da água.
Gerenciais: controle zootécnico do rebanho; análise econômica da produção e acompanhamento contábil das propriedades participantes.

 

Voltar